sexta-feira, 1 de maio de 2009

OS ENCANTOS DE CIRCE



Circe, figura legendária da mitologia grega, é retratada como filha de Hélio, deus-sol e da ninfa Pérsia. Por ter envenenado seu marido, o rei dos sármatas, que habitava o Cáucaso, foi obrigada a exilar-se na ilha de Eana, localizada no litoral oeste da Itália.

O nome da ilha "Eana", se traduz como "prantear" e dela emanava uma luz tênue e fúnebre. Esta luz, identificava Circe, como a "Deusa da Morte". Era também associada aos vôos mortais dos falcões, pois assim como estes, ela circundava suas vítimas para depois enfeitiçá-las.

O grito do falcão é "circ-circ" e é considerado a canção mágica de Circe que controla tanto a criação quanto a dissolução. Sua identificação com os pássaros é importante, pois eles têm a capacidade de viajar livremente entre os reinos do céu e da terra, possuidores dos segredos mais ocultos, mensageiros angélicos e portadores do espírito e da alma.

Antigos escritores gregos citavam-na como "Circe das Madeixas Trançadas", pois podia manipular as forças da criação e destruição através de nós e tranças em seus cabelos. Como o círculo, ela era também a tecelã dos destinos.

Circe era considerada a Deusa da Lua Nova, do amor físico, feitiçaria, encantamentos, sonhos precognitivos, maldições, vinganças, magia negra, bruxaria, caldeirões.

CIRCE E ULISSES

No decurso das suas perambulações, o herói Ulisses (personagem épico da "Odisséia, de Homero") e sua tripulação desesperada, desembarcam na praia da ilha de Eana, onde vivia Circe, a filha do Sol.

Ao desembarcar, Ulisses subiu a um morro e, olhando em torno não viu sinais de habitação, a não ser um ponto no centro da ilha, onde avistou um palácio rodeado de árvores.

Ulisses envia à terra 23 homens, chefiados por Eurícolo, para verificar com que hospitalidade poderiam contar. Ao se aproximarem do palácio, os gregos viram-se rodeados de leões, tigres e lobos, não ferozes mas domados pela arte de Circe, que era uma poderosa feiticeira. Todos esses animais tinham sido homens e haviam sido transformados em feras pelos seus encantamentos.

Do lado de dentro do palácio vinham os sons de uma música suave e de uma bela voz de mulher que cantava. Euríloco, chamou-a em voz alta, e a Deusa apareceu e convidou os recém-chegados a entrar, o que fizeram, de boa vontade, exceto Euríloco, que desconfiou do perigo. A Deusa fez seus convivas se assentarem e serviu-lhes vinho e iguarias. Quando haviam se divertido à farta, ela lhes tocou com uma varinha de condão e eles imediatamente se transformaram em porcos, com "a cabeça, o corpo, a voz e as cerdas" de porco, embora conservando a inteligência de homem.

Euríloco apressou-se em voltar ao navio e contar o que vira. Ulisses, então, resolveu ir ele próprio tentar a libertação dos companheiros. Enquanto se encaminhava para o palácio, encontrou-se com um jovem que a ele se dirigiu familiarmente, mostrando estar a par de suas aventuras. Revelou que era Mercúrio e informou Ulisses acerta das artes de Circe e do perigo de aproximar-se dela. Como Ulisses não desistiu de seu intento, Mercúrio deu-lhe um broto de uma planta chamada "Moli", dotada de enorme poder para resistir às bruxarias, e ensinou-lhe o que deveria fazer.

Ulisses prosseguiu seu caminho e, chegando ao palácio, foi cortesmente recebido por Circe, que o obsequiou como fizera com seus companheiros, e, depois que ele havia comido e bebido, tocou-lhe com sua varinha de condão, dizendo:

-"Ei! procura teu chiqueiro e vai espojar com teus amigos".

Em vez de obedecer, porém, Ulisses desembainhou a espada e investiu furioso contra a Deusa, que caiu de joelhos, implorando clemência.

Ulisses ditou-lhe uma fórmula de juramento solene de que libertaria seus companheiros e não cometeria novas atrocidades contra eles ou contra o próprio Ulisses. Circe repetiu o juramento, prometendo, ao mesmo tempo, deixar que todos partissem são e salvos, depois de os haver entretido hospitaleiramente.

Cumpriu a palavra. Os homens readquiriram suas formas, o resto da tripulação foi chamado da praia e todos magnificamente tratados durante tantos dias, que Ulisses pareceu haver-se esquecido da pátria e ter-se resignado àquela inglória vida de ócio e prazer.

Afinal seus companheiros apelaram para os seus sentimentos mais nobres, e ele recebeu de boa vontade a censura. Circe ajudou nos preparativos para a partida e ensinou aos marinheiros o que deveriam fazer para passar sãos e salvos pela costa da Ilha das Sereias. As sereias eram ninfas marinhas que tinham o poder de enfeitiçar com seu canto todos quantos as ouvissem, de modo que os infortunados marinheiros sentiam-se irresistivelmente impelidos a se atirar ao mar onde encontravam a morte.

Circe aconselhou Ulisses a cobrir com cera os ouvidos dos seus marinheiros, de modo que eles não pudesses ouvir o canto, e a amarrar-se a si mesmo no mastro dando instruções a seus homens para não libertá-lo, fosse o que fosse que ele dissesse ou fizesse, até terem passado pela Ilha das Sereias.



No poema "Endimião", do poeta Keats, podemos ter uma idéia do que se passava no pensamento dos homens que eram transformados em animais pela feiticeira Circe. Esses versos abaixo teriam sido ditos por um monarca que tinha sido transformado em elefante pela Deusa:

"Não lamento a coroa que perdi,
A falange que outrora comandei
E a esposa, ou viúva, que deixei.
Não lamento, saudoso, minha vida.
Filhos e filhas, na mansão querida,
Tudo isso esqueci, as alegrias
Terrenas olvidei dos velhos dias.
Outro desejo vem, muito mais forte.
Só aspiro, só peço a própria morte.
Livrai-me desse corpo abominável.
Libertai-me da vida miserável.
Piedade Circe! Morrer e tão-somente!
Sede, deusa gentil, sede clemente!


A IMAGEM QUE O HOMEM FAZ DA MULHER

Metaforicamente, a história de Circe e Ulisses, revela a proporção da influência dos encantos femininos sobre os homens. Mostra que quando a mulher se determina a usar todo o seu potencial sexual, enlouquece a cabeça de um homem e ele, inconscientemente se transforma em um animal revelado de acordo com a sua natureza. Portanto, os homens movidos tão somente por fortes desejos sexuais, nunca estarão livres de serem explorados por mulheres que buscam satisfações financeiras e que usarão de subterfúgios e encantamentos para alcançarem seus intentos.

Este lado "feiticeira-prostituta" de todas as mulheres, foi que levou o regime patriarcal romano à caçá-las como bruxas. Este ponto de vista "chauvinista", encontra-se delineado em textos antigos da Bíblia, onde há a afirmação de que os homens são vítimas inocentes da influência maldosa e perniciosa feminina.



Hoje em dia, a imagem que o homem faz da mulher, ainda permanece com essa projeção, embora nem sempre com a mesma grandiosidade e reverência característica da arte clássica. Filmes pornográficos e páginas centrais de revistas populares revelam a imagem interior que os homens fazem das mulheres. E nós, as mulheres brasileiras,infelizmente, somos consideradas perante o mundo inteiro como mulheres lindas, feiticeiras, mas totalmente prostituídas. Digo isso, porque minha própria filha, que mora e estuda na Europa, já sofreu muito esse tipo de preconceito.

E, todo problema consiste em razão do homem no estágio cultural atual jamais avançou além da significação maternal da mulher e essa é a razão para que ele classifique somente dois tipos de mulheres: sua mãe e as prostitutas. Conseqüentemente, a prostituição é um dos principais subprodutos do casamento civilizado.

É muito comum observarmos um homem falar da mudança no relacionamento pessoal que ele experimentou com sua mulher a partir do nascimento dos filhos. A imagem que ele tinha do feminino, que anteriormente o excitava para o ato de amor, agora regride ao modelo maternal estático. Ele se sente preso, muitas vezes sem vitalidade ou senso de criatividade.

As taxas crescentes de divórcio no mundo ocidental, refletem o caminho que alguns homens tomaram para escapar da dominação da esposa-mãe.



Em nosso mundo moderno, a imagem da Deusa-feiticeira Circe está enterrada sob os valores religiosos do patriarcado. Entretanto, ela ainda vive, e pode ser redescoberta como a companheira-da-alma por qualquer homem que possua desejo e a coragem de sacrificar os papéis masculinos estereotipados e valores coletivos antiquados. Estas são as ofertas que a mulher-feiticeira sagrada presenteia o homem no seu templo de amor; lá ela o aguarda, pronta para iniciá-lo no significado de sua vida e despertar sua consciência para uma nova sabedoria.

A JORNADA HERÓICA

A jornada de um herói sempre é pontuada de diversos demônios: os demônios da dúvida, da esperança e de um caminho mais fácil, as seduções da riqueza, do poder e do hedonismo. Em sua longa viagem de volta para Ítaca Ulisses teve que resgatar seus homens da Ilha de Eana e dos encantamentos de Circe que os transformou em porcos. Todas as tentações faziam com que a tripulação esquecesse a viagem.

O herói de nossa história, assim como de muitas outras, costumam partir para uma aventura no mundo; as vezes a jornada é interna, quando o herói desce até as profundezas do inconsciente. Se ele sobreviver a esse mergulho e, muitos dos que o precederam não o conseguiram e à batalha com o monstro que estiver aguardando por ele no fundo, então será capaz de empreender a subida e ser transformado. Essa transformação constitui uma experiência de morte e renascimento. Quem a pessoa foi, como era seu mundo consciente, não existe mais. Tudo foi transformado.

Embora as aventuras heróicas de nossa memória tribal possam tomar alguma forma exterior, os mesmos motivos da convocação, da descida, da luta, do ferimento e do retorno fazem parte da vida cotidiana de cada pessoa. Discernir que cada um de nós faz parte de um rico padrão, e reconhecê-lo no dia-a-dia, é resgatar o princípio de profundidade.

Cada um de nós, ao nascermos, somos lançados na trama de um grande drama, no qual talvez estejamos seguindo um roteiro incerto, mas em que, somos chamados a ser os protagonistas. O término do texto é certo: todos morremos. Mas a peça é construída de modo que o protagonista possa tornar-se consciente e fazer suas escolhas heróicas.

Todas as histórias de heróis até podem nos inspirar ou guiar, mas cabe a cada um responder ao seu próprio chamado, individualizar-se. Como diz a antiga parábola Zen, "estou procurando o rosto que eu tinha antes de o mundo ser criado."

ARQUÉTIPO DA TRANSFORMAÇÃO

O arquétipo de Circe é, antes de tudo, a figura de uma mulher independente, consciente de seus desejos e sua feminilidade. Circe representa o amor, a paixão irracional e um poder incrível. Ela nos traz à luz da nossa força interior, que não só representa a sexualidade, mas também os tesouros do inconsciente.

A grande mensagem contida no mito Circe para mim, reside no fato de nos permitir ver e aceitar os desafios que nossa jornada nos propõe e de assumirmos a responsabilidade de nossas escolhas. Circe nos encoraja a fazermos bom uso de nosso poder interior, para ditarmos o caminho de nosso próprio destino.

Circe nos diz que:

Depois da dor, vem o saber
Do saber, surge o crescimento
O crescimento nos leva a transformação
Da transformação emana o poder.

Texto pesquisado e desenvolvido por

ROSANE VOLPATTO
http://www.rosanevolpatto.trd.br/Circe.html

Um comentário:

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive aqui lendo o seu diário. Aprendi muito!! Abraço Ademar!!!